Morrendo




As vezes morro de alegria

As vezes morro de tristeza

Depende do que a vida me tráz

E eu morro de fome

e outrora de indigestão

Da gula ou do palavrão

Quando esta comigo morro de agonia

Pois sei que vai partir e me deixara sem seu sorriso

Eai morro de saudades de quem partiu

Partiu minha alma e minha calma

Morro de impaciência

Morro por ausência

Aquela que me silência

Morro de tédio

Morro de pensar

De pesar aquela culpa que não foi minha

Morro de rir

Morro de chorar

Morro de suar

No jogo, no encontro, no cafofo

Morro de calor

Morro de frio

Morro é onde eu moro

Já morri de paixão

Já morri de amor

Achei que ia morrer de decepção

Na verdade aprendi viver

Morro com as minhas idéias

Morro com minha convicção

Morro com aquilo que sou

E com aquilo que eu queria ser

Morro de esperar

Morro de desespero

De ver o tempo passar

Todo dia eu morro

Todo dia um pouco de mim

Me mato de morrer

Me mato pra não morrer

É assim que tem que ser.

Inspirado em Mérito e o mosntro!!

2 idéias novas!:

Thiago Amorim disse...
2 de dezembro de 2009 11:24

pra que outros possam viver, é preciso morrer =]

EDILSON VALDECI disse...
26 de dezembro de 2009 21:12

A paz querida,

Se o grão de trigo caindo na terra não morrer, ficará só; mas, se morrer,dá muito fruto.
Que Deus continue te abençoando.
Feliz festas.

Volver al inicio Volver arriba Incansável Sentinela. Theme ligneous by pure-essence.net. Bloggerized by Chica Blogger.